Ariel Holan pediu demissão do Santos. Foto: Reprodução/Facebook.

O argentino Ariel Holan pediu dispensa do comando do Santos. Com pouco mais de dois meses no cargo e 12 jogos disputados, o treinador experimentou vários obstáculos no caminho: clube sem reforços, salários atrasados, perda de um dos principais jogadores e protestos da torcida na porta de casa.

Insatisfeito, pediu o boné e voltou para casa depois de colocar o atual vice-campeão na fase grupos da Libertadores. Holan é mais um estrangeiro que deixa o Brasil. Dessa vez não por uma boa proposta, mas desistindo do País em um cenário caótico que se tornou jogar futebol em meio à pandemia no ano de 2021.

Apesar dos títulos, torcida pressiona Abel Ferreira no Palmeiras. Foto: Cesar Greco/Palmeiras.

FUTEBOL BRASILEIRO VIVE CAOS

Os clubes, já tradicionalmente sufocados financeiramente, cortaram ainda mais custos. Não há dinheiro para grandes contratações nem entre os mais ricos. Flamengo e Palmeiras trouxeram apenas um jogador por empréstimo cada um.

O calendário, que já é tradicionalmente apertado, piorou ainda mais no segundo ano da pandemia. Com a paralisação do Paulistão, os clubes do estado estão tendo que jogar a cada 48 horas na retomada do campeonato. Um desfile de reservas e garotos que ainda não estão totalmente maduros, em jogos tecnicamente fracos.

Entretanto, a cobrança em cima dos técnicos e dos jogadores segue a mesma, mesmo nesse cenário caótico. E os torcedores, talvez influenciados pelo momento pesado que vivemos, passam do limite com frequência. Nas redes sociais e nas ruas, atacando ônibus dos times e soltando rojões nas casas dos treinadores.

Todo esse cenário dificulta ainda mais a vida dos treinadores estrangeiros que se aventuram a trabalhar no Brasil. Holan pediu o boné. Abel Ferreira, contestado pela torcida e descontente com a falta de reforços, demonstra incômodo nas entrevistas coletivas.

Por enquanto o único que tem tranquilidade é o são-paulino Hernán Crespo, com uma boa sequência de vitórias. A ver como vai ser a reação da torcida Tricolor no primeiro tropeço. Porque no Brasil o que importa é resultado. Independente das circunstâncias.

Hernán Crespo, por outro lado, começou muito bem a temporada no São Paulo. Foto: Reprodução/Facebook.

Indy: domínio de jovem piloto marca segunda etapa na Flórida

Anterior

Corrida morna da Fórmula 1 em Portugal e mais uma vitória de Hamilton

Próximo

Você também pode gostar de

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *