Hamilton
Foto: Twitter oficial da MercedesGP

Assim como fez Ayrton Senna em 1986, Lewis Hamilton vingou a seleção de sue país. Correndo em casa, na tradicional pista de Silverstone, uma semana após a Seleção Inglesa ter perdido a Eurocopa, o piloto trouxe alegria para os torcedores ingleses. E ainda por cima, ultrapassando, nas voltas finais, uma Ferrari, equipe do mesmo país que derrotou a Inglaterra em Wembley.

Contudo, não foi apenas o inglês que brilhou nas pistas. Confira na análise da prova.

Análise

Tudo parecia estar indo contra Lewis Hamilton. Largando em segundo após ser derrotado por Max Verstappen na corrida de classificação (no qual abordaremos mais tarde), acabou tocando o holandês, causando um forte acidente. Para sorte do inglês, o carro não ficou danificado, mas o piloto recebeu uma punição de dez segundos.

Contudo, isto não impediu do inglês mostrar as suas habilidades e fazer uma grande corrida de recuperação. E para delírio da torcida inglesa, Hamilton ultrapassou Charles Leclerc à duas voltas do fim, para garantir a quarta vitória nesta temporada e a 99ª na carreira.

Apesar de ter sido ultrapassado no final, Charles Leclerc merece muitos aplausos. O monegasco liderou a maior parte da corrida, grande expectativas de que finalmente a Ferrari voltaria a vencer uma prova, mesmo com problemas no motor. O piloto teve que se contentar com o segundo lugar, mas sai de Silverstone de cabeça erguida.

O companheiro de equipe de Leclerc, Carlos Sainz, também pilotou muito em Silverstone. O espanhol, que largou em 11º lugar, soube ser veloz ao mesmo tempo em que economizava pneus, e terminou a prova em sexto lugar.

Outros dois pilotos que merecem destaque são o canadense Lance Stroll (Aston Martin) e o japonês Yuki Tsunoda (Alpha Tauri), que largaram na parte de trás do grid (14º e 16º, respectivamente), mas se recuperaram e conseguiram boas posições (8º e 10º, respectivamente).

Já a Red Bull, por outro lado, teve um fim de semana para se esquecer. Max Verstappen, enquanto que, na corrida de classificação, Sergio Pérez rodou e teve que largar nos boxes. Na prova, não conseguiu ter um bom ritmo nem acertou na estratégia, e mesmo conseguindo fazer a volta mais rápida, não levou o ponto extra porque não terminou entre os dez primeiros (foi o 16º).

Corrida de classificação

Neste fim de semana, a Fórmula 1 testou um método inédito de classificação: com uma corrida rápida de 100 quilômetros. Diferente do que aconteceu no domingo, o duelo entre Hamilton e Verstappen foi mais respeitoso, o que garantiu a vitória (e a pole de domingo) ao holandês. A prova, contudo, foi mais calma, bom boas disputas, mas sem intensidade no meio do grid.

O modelo foi aprovado por alguns pilotos, mas para quem ainda não se convenceu, ainda existirão mais duas oportunidades. A primeira será em Monza, na Itália. A segunda, possivelmente, será em Interlagos, no Brasil.

Campeonato

Mesmo que tenha sofrido o acidente, Max Verstappen ainda é o líder do campeonato. Agora, são 185 pontos contra 177 de Hamilton. Em terceiro lugar está Lando Norris, com 113, seguido de Valtteri Bottas, com 108.

E assim como foi no mundial de pilotos, no de construtores a Mercedes se aproximou da Red Bull. A equipe taurina tem 289 pontos, contra 208 dos alemães. Em terceiro lugar está a McLaren, com 163, enquanto que a Ferrari é a quarta, com 148.

A próxima corrida da Fórmula 1 será no dia 1º de agosto, no travado circuito da Hungria.

LEIA MAIS

O legado de Rogério Ceni no Flamengo

Palmeiras e Flamengo vencem fora de casa

Anterior

Mundial do Palmeiras completa 70 anos. Conheça a história

Próximo

Você também pode gostar de

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *