Mazepin na Fórmula 1
Twitter oficial do piloto Nikita Mazepin

Nesta semana, enquanto o mundo da Fórmula 1 esperava se Lewis Hamilton correria em Abu Dhabi (o que se confirmou ontem), outro fato chamou a atenção no mundo da categoria. Um vídeo mostrava Nikita Mazepin, recém-contratado pela Haas para correr em 2021, apalpando os seios de uma mulher contra a vontade dela.

Antes de tudo, o autor deste artigo precisa explicar o porquê de não ter escrito sobre este caso já no dia em que ele saiu. Todo acusado tem o benefício da dúvida. Assédio sexual é uma acusação muito grave que pode levar a desgraça completa. E apesar de muitas feministas não aceitarem este fato, existem mulheres canalhas que criam acusações falsas contra homens. Só no mundo do esporte, por exemplo, tivemos os casos de Kimi Räikkönen, Neymar e Dudu (sendo que este último foi acusado de agressão).

Contudo, no caso de Mazepin existe a prova de que ele sim, abusou de uma mulher. E assim como é com Robinho (que tem uma condenação em segunda instância), tem que ser punido. Entretanto, não é apenas com as mulheres que o russo é desrespeitoso.

Em 2016, quando corria na Fórmula 3 europeia, Mazepin acertou um soco no inglês Callum Ilott (vice-campeão da Fórmula 2 neste ano) após um desentendimento na pista. O caso rendeu ao russo uma suspensão. Já na corrida disputada no sábado do fim de semana do GP de Sakhir pela Fórmula 2, Mazepin manobrou perigosamente contra o brasileiro Felipe Drugovich e quase tirou o japonês Yuki Tsunoda da prova.

As reações (e quem pode substituí-lo)

A Haas repudiou o ato e disse que ia resolver o caso internamente. A FIA (Federação Internacional de Automobilismo) e a Fórmula 1 classificarem o ato como “inadequado”.

Caso a Haas resolva demitir o russo, existem boas opções para o mercado. Um deles é Sergio Pérez, que ainda está sem carro para a próxima temporada. E se a Red Bull optar por permanecer com Alexander Albon, a equipe americana pode ser o destino do mexicano.

Outro que pode ganhar chance é Callum Ilott (o mesmo que Mazepin socou), que é piloto da Academia da Ferrari e mostrou condições de estar nas pistas da Fórmula 1. Nico Hülkenberg também pode dar das caras. E pode sobrar até mesmo para Pietro Fittipaldi, que correu pela equipe no Bahrein e voltará a correr em Abu Dhabi, neste fim de semana.

LEIA MAIS

Corrida fantástica em “oval”. Análise do GP de Sakhir da Fórmula 1

O drama de Vasco e Botafogo e o perigo de um novo rebaixamento

Anterior

F1, NBA e Champions: um 2020 histórico na luta contra o racismo

Próximo

Você também pode gostar de

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *